Por onde começar?
Sobre o que falar,
Quando muita coisa já dita,
Simplesmente se perdeu!

O que escolher?
O que levar?
Em um mundo onde escolhas,
Razões,
E o que resta da emoção,
É descartado tão rapidamente!

O que encontrar?
Em meio a tanta coisa rasa!
Quando o número cresce tão rápido,
Que ao pensar,
Nos damos conta,
Que já nem lembramos o que desejávamos!

Para onde ir?
Com tantas possibilidades,
Tanta mediocridade,
Que fala de coisas,
Sem ao menos conhecer!
Das opiniões,
Que da cadeira elétrica!
Das mãos frenéticas,
Condenam seu sucessor!

O que fazer?
Para onde correr?
No mundo das razões!
Das “verdades verdadeiras”,
Das “certezas derradeiras”!
Que já não aceitam opiniões.