Um dos pratos mais típicos da nossa culinária italiana trazidas pelos nossos antepassados é a Polenta. Mas, aqui no Brasil os imigrantes italianos criaram um prato exclusivo, fazendo mistura dos produtos cultivados na região e facilmente encontrados desde o princípio quando o italianos chegaram no sul de Santa Catarina. O nome deste prato é “minestra” que deriva de uma espécie de sopa lá da Itália feita com grãos ou legumes, também chamada de “minestrone”.

A nossa típica minestra brasileira feita à base de caldo de feijão preto ou vermelho cozido, depois batido manualmente e extraído o caldo consistente. O caldo retorna ao fogo, adicionando temperos como: sal, salsa e cebola verde e outros dependendo dos gostos e produtos a disposição. Temos dois tipos de minestra: a de arroz e a de massa. Geralmente eles usavam o tipo “taiadele” (na língua vêneta) é um tipo de massa caseira cortada manualmente.

Também se usa a massa tipo macarrão. Era o prato consumido diariamente, sempre na janta, geralmente no outro dia de manhã antes de ir para o árduo trabalho, se comia a minestra requentada, já que na época não existia as geladeiras para conservar. Também se coloca farinha de mandioca a gosto para engrossar o caldo, também que logo servida se colocava um pouco de vinagre de vinho.

A minestra ainda é muito consumida em nossa região com queijo, torresmo, ovos fritos, salame e radici. A minestra é um prato quente e mais consumido no inverno. Na última terça feira um grupo de amigos de Nova Veneza e região  se reuniram para a terceira minestra com vinhos do mundo, o anual evento está na terceira edição. Já diz o velho provérbio vêneto: “Ti magna la minestra o salta par la finestra!!!”

EL PARON DEL BISTEK


A rede Bistek de supermercados nasceu em Nova Veneza há cinquenta uno anos atrás pelo senhor Adelino Ghislandi. O pequeno bar e armazém se transformaram um império comercial que está nas principais cidades catarinenses. Adelino e esposa Zelinda De Mattia com os filhos incansavelmente se dedicaram ao trabalho, nós neovenezianos somos testemunhos dessa saga. No registro, o patriarca vistoriando a terraplanagem da nova loja de Nova Veneza. “Bravo!!!”

DALA MATINA ALA SERA


Com o titulo “Cinquenta anos não é muito, mas não é pouco” o meu amigo e compadre Marcelo Branco Pacheco comemorou seus cinquenta anos de vida em sua nova residência na localidade de Turvo Baixo, município de Turvo. Entorno de sessenta pessoas, entre amigos e familiares festejaram desde a manhã até a noite do último sábado. Pela manhã a festa foi animada Gaitaço Fandagueiro e a tarde pelos Badjecos do Samba. “Una bela festa!!!”

BEZ DE CUÀ BEZ DI LÀ


Empresário Olvacair Bez Fontana está em turnê com a família na Itália. Uma das visitas mais importante é do seu parente Elvio Bez natural Longarone que fica na província de Belluno no nordeste da Itália.

Elvio é policial municipal e guarda florestal aposentado e recém esteve em nossa região para conhecer e entender mais o nosso processo imigratório. No registro os Bez na floresta autorizada para o corte. “Bravi tozati!!!”

VARDA LA BISA


Samuel Natal Gava e sua bela esposa Mari Silva tipicamente trajados a caráter da festa mais popular e cultivada nos quatros cantos do nosso país.  “Olha a cobra” como se diz na marchinha de quadrilha, na língua vêneta se diz: Varda la bisa!!!

PATATON


Paulo Moro mostrando a batata de quase sete quilos que colheu em sua propriedade. “Magnar sol un tochetin… Parche se te magna tuta, te scoreda masa!!!”

EN FAMÈJA

O “Bon Jorno” especial de hoje vai para os leitores assíduos do Turvo. Para representa-los, o casal Alencar Semler com sua bela esposa Jaqueline Duminelli Scarsi com a primogênita Luiza Scarsi Semler. “Grasie!!!”