Enxaqueca ou cefaleia odontogênica

Nunca atendi paciente com enxaqueca, que tivesse procurado inicialmente o tratamento num consultório odontológico, pois nestes casos, o paciente sempre procura por atendimento médico, preferencialmente por médico neurologista e, não havendo um especializado na cidade ou redondezas, procura por um médico mais próximo.

Este é o procedimento normal e correto. Somente quando esgotados todos os recursos de tratamentos na área médica é que os pacientes procuram outras alternativas de tratamento e, uma delas é procurar um profissional da odontologia, sendo que normalmente fazem isto, através da sugestão de pessoas que já passaram pela mesma situação, ou raramente por indicação de profissional da área da saúde.

Diagnóstico final, a enxaqueca

Sem exceção, todos os pacientes que me procuraram profissionalmente, em virtude da dor de cabeça crônica, o fizeram nesta condição e foram raríssimos os que não tinham como diagnóstico final o de enxaqueca, de causas variadas e assim eram tratados.

Os pacientes normalmente são reservados e relutantes quanto a possibilidade da cura ser  através da odontologia e, quando após criterioso  exame clinico, receberam o diagnóstico de que a sua dor de cabeça crônica tratava-se de uma cefaleia odontogênica,  ficaram surpresos, questionaram e só aceitaram como verdadeiro, quando ficaram livres da dor de cabeça, sem uso de qualquer medicamento e, tão somente através de procedimentos odontológicos e algumas vezes associados com procedimentos fisioterápicos específicos.

Cura para enxaqueca

Sem a necessidade de exames complementares, é no exame clínico que a cefaleia odontogênica é diagnosticada e, a seguir na grande maioria dos casos ela é debelada, necessitando posteriormente apenas eliminar o fator desencadeante do mal.

A bem da verdade, as manifestações ou sintomas da enxaqueca e da cefaleia odontogênica são praticamente os mesmos.

Em  ambas a queixa predominante é a da dor de cabeça crônica e cíclica, a qual normalmente vem associada  de outras queixas, entre elas, tonturas  as vezes até com a perda do equilíbrio,  enjoo  chegando até a crises de vômitos, perturbação  visual ou hipersensibilidade  a luz, aversão a barulhos e a certos cheiros,  ruídos e as vezes dor ou ruído nos ouvidos  que  na realidade nada tem a ver com os ouvidos,  tratando-se apenas de dor refletida por  alterações  relacionadas com as ATMs (Articulação temporomandibular), que são as  estruturas situadas na frente das orelhas e que se movem com o abrir e fechar da boca.

No caso das cefaleias odontogênica, registrei que além de vir associada normalmente com uma ou mais queixas daquelas acima relacionadas é raríssimo o paciente não queixar de dor na musculatura cervical e do pescoço e muitas vezes dor ou dificuldade de abrir a boca.  Em muitos casos são frequentes as queixas com torcicolos, que além da dor limitam o movimento do pescoço.

Também são frequentes as queixas de limitações na movimentação dos braços e formigamento nas pontas dos dedos, notadamente os dedos da mão esquerda. Dor nas regiões supra mamárias e fisgadas no centro inferior do peito que em muitos casos os levaram a consultas cardiológicas.

No caso do comprometimento muscular, a alteração mais comum é a hipertrofia muscular com a presença de múltiplos miócitos (nódulos musculares) que além da dor muscular, limitam o movimento normal do órgão ou simultaneamente dos órgãos afetados ou seja, mandíbula, pescoço e braços.  A alteração muscular é facilmente detectada clinicamente, podendo ser comprovada sempre através da eletromiografia.

Dr. Nivaldo José Nicodemos Nuernberg
Cirurgião-dentista

Todos os dias as notícias do
Portal Veneza no seu e-mail

Leia nossa política de privacidade para mais detalhes.

Bloqueio de anúncio detectado!

Por favor, para continuar é necessário desativar seu bloqueador de anúncios!