Por Willians Biehl

Localizada ao lado do bairro Baixada em Nova Veneza, a empresa encerrou suas atividades no último dia 19

Dezenas de trabalhadores da Desigual.ind, lavanderia industrial, se reuniram na manhã desta terça-feira, 23, com o representante da empresa, Michel Alexandre Coelho e seu advogado, Marco Dias, para discutirem como será feito o pagamento dos dois meses de salários atrasados, 75% do décimo terceiro salário de 2018, além de outros valores como o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço  (FGTS), que em muitos casos, estavam sendo descontados dos funcionários mas não eram depositados pelo empresário.

“O único ativo financeiro da empresa hoje, está aí dentro. Já tem comprador para as máquinas, e esse valor é suficiente para pagar todo mundo,” disse o advogado da Desigual.ind, Marco Dias. Ele ainda afirmou, que de imediato há pelo menos um interessado disposto a pagar R$20 mil por um dos dois contêineres que hoje estão no pátio da empresa.

Com dívidas acumuladas e alguns já passando necessidade, os antigos funcionários afirmam que a situação ficou insustentável. “Não tenho dinheiro mais pra nada, tem gente que está faltando até comida,” afirmou uma ex-colaboradora.

Com a assessoria dos advogados do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes de Criciúma (Sitratuh), na noite da última sexta-feira, 19, os antigos colaboradores conseguiram na justiça, a apreensão judicial dos bens da empresa, para garantir a futura cobrança da dívida ou parte dela.

“O que for de atitude jurídica a gente vai votar e decidido pela maioria, neste primeiro momento há alternativas. Mas tem grupo econômico, há indícios de outras empresas fora daqui, enfim, podemos trabalhar uma outra situação caso as coisas não se resolvam,” afirmou um dos advogados da Sitratuh, Rodrigo De Bem.

Durante os próximos dias um levantamento será realizado para saber o real tamanho da dívida trabalhista da Desigual.ind. Os advogados do sindicato pressionaram para que as rescisões sejam feitas o mais rápido possível, para que o seguro desemprego dos trabalhadores possa ser liberado.

Não foram divulgadas informações sobre o volume da dívida da empresa com fornecedores.