Unesc capacita cooperativas para produzir biscoitos sem açúcar
Saúde

Unesc capacita cooperativas para produzir biscoitos sem açúcar

Projeto de Extensão recebeu cooperados para aprender receitas e se adequarem à nova norma para alimentação escolar (Fotos: Mayara Cardoso)

Associados de cooperativas de agricultura familiar de toda a região estiveram nesta quarta-feira (10/11) na Unesc para aprender novas receitas e ampliar seus horizontes de atuação. Por meio do Projeto de Extensão “Ações de Alimentação Saudável e Nutrição Solidária”, capitaneado pelo curso de graduação em Nutrição da Universidade, professores e acadêmicos compartilharam conhecimentos sobre novas receitas de bolachas e biscoitos isentos de açúcar, opção que se adequa especialmente à norma do Ministério da Educação que dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica.

A partir da nova norma, conforme a coordenadora do curso e do projeto, Fabiane Fabris, as cooperativas devem oferecer opções de lanche sem açúcar para que seus produtos integrem a merenda escolar. “Isso porque os estudos demonstram o impacto do consumo de açúcar e ultraprocessados em geral na saúde das crianças. Ao desenvolver receitas inéditas e oferecê-las aos cooperados de forma gratuita estamos colaborando não só com esses pequenos negócios, mas com a saúde da nossa comunidade”, afirma.

As receitas desenvolvidas na noite de capacitação, de acordo com Fabiane, foram idealizadas nos mínimos detalhes em três momentos de testes e experimentações que antecederam o encontro com as cooperativas. Na substituição do açúcar, o grupo, formado pela professora, acompanhada de dois acadêmicos bolsistas e aproximadamente dez estudantes voluntários, utilizou uvas passas, ameixa seca, figos, tâmaras, damasco, purê de maçã, banana madura, doce 100% fruta, suco de maçã integral, suco de uva integral, leite de coco e água de coco.

A “alquimia” aprendida, conforme a empreendedora de Araranguá Soraia Figueiredo Torquato Nicoski, será valiosa para o seu negócio, que já atua no nicho de produtos também sem glúten e sem lactose. “Quero já produzir para vender na feirinha que participo e acredito que terá boa saída. Para a venda para escolas irei aguardar a possibilidade de algum apoio governamental para que seja viável fazer em grande escala, já que os custos que teremos serão muito maiores comparado a biscoito fabricados em grande número, pela forma artesanal de preparo e ingredientes mais selecionados”, comentou.

Da mesma forma, colegas de cooperativas de diversas cidades da região utilizarão e adaptarão as receitas de acordo com seus negócios e possibilidades e já pretendem colocar os ensinamentos em prática. “Ao identificarmos o produto como livre de glúten, lactose ou, agora, o açúcar, as pessoas chegam e já demonstram o interesse. Nesse caso será interessante para aqueles que têm restrição alimentar, mas também como incentivo para uma alimentação mais saudável de todos”, acrescentou Soraia.

Além das receitas desenvolvidas de forma antecipada e entregues em um manual para cada participante, o grupo teve a oportunidade de propor também novas misturas na tentativa de encontrar diferentes resultados com os ingredientes propostos e, claro, sem açúcares ou adoçantes.

Ao final das testagens as envolvidas experimentaram o sabor de cada biscoito produzido e trocaram experiências sobre a melhor forma de preparo de cada um, a escolha dos ingredientes e outros detalhes.

Entre as participantes estiveram integrantes da Feira da Economia Solidária da Unesc, que, em breve, deverá oferecer também as novas opções para venda.

Redação Portal Veneza

Todos os dias as notícias do
Portal Veneza no seu e-mail

Leia nossa política de privacidade para mais detalhes.