Una vera e bela soto acqua
Colunistas Nicola Gava

Una vera e bela soto acqua

Una vera e bela soto acqua

Como pesquisador da história de Nova Veneza e da imigração italiana do Sul catarinense e de etnias de convívio, há mais de vinte anos entrevistou o saudoso Dovilio Spillere que junto com seu irmão Jerônimo fundaram o setor metal mecânico no Distrito de Caravaggio.

Eles fabricavam artesanalmente ferramentas como: martelos, marretas, foices, enxadas, pás, picaretas e outras ferramentas principalmente para agricultura, e boa parte da produção era vendida para as lojas de ferramentas da grande Porto Alegre(RS) desde a década de 40.

Narrou-me o senhor Dovilho que ia de Criciúma para o centro de Porto Alegre de ônibus via litoral/praias e as travessias eram de balsas. Em uma dessas viagens deu uma grande ressaca no mar que durou três dias, e todos passageiros ficaram totalmente ilhados.

Muitos deles levavam seus lanches (pão, bolacha, salame, queijo, ovo cozido,,”gasosa rossa” refrigerante, vinho e até uma boa cachacinha). Nesta viagem da ressaca que durou três dias isolados, o alimento que era ara um dia de viagem acabou e foram socorridos por uma família de pescadores que, gentilmente fez comida para todos os passageiros até a ressacada passar e eles prosseguirem a viagem.

Spillere falou que a ferraria/empresa cresceu graças as vendas feitas em Porto Alegre, pois, aqui haviam vários concorrentes. “Esenpio de brava zente!!!”

Bon conplean Bratti

Una vera e bela soto acqua

Amigo desde infância e meu leitor Alexandre Bratti trocou de idade na última sexta feira, Bratti reuniu um grupo de amigos ara celebrar a data especial, no qual este Bauco esteve presente. Felicidades sempre!!! “Che bel vegner fora vèci!!!”

Su ntea la sèra

Una vera e bela soto acqua
Professora, escritora e também leitora deste Bauco a querida amiga Margarete com seu esposo, o ex-vereador neoveneziano Valmor Ugioni no mais novo refúgio situado na serra catarinense, onde se respira ar puro da cidade mais fria do Brasil. “Bel posto!!!”

Storia dela imigrasion

Una vera e bela soto acqua

No registro fotográfico a imigrante italiana Irene Pasquali Ostetto que nasceu no dia 03 de abril de 1897, em Fanano município da província de Modena  na região da Emilia Romagna, chegou na “Colonia de Nuova Venezia” em 1898 com apenas um ano de idade.

Casou com Vírgilio Ostetto. O fato interessante que a saudosa Irene foi a última imigrante italiana a falecer em Nova Veneza daquele período da colonização do final do século XIX. Faleceu no dia 12 de outubro de 1989.  “La nostra storia!!!”

Una bela veronese

Una vera e bela soto acquaSimpaticíssima, charmosa e elegante, a empresária Denise Zanoni esposa do Luiz Pereira está entre as mais belas neovenezianas. “Altro che bela!!!”

Adio Olivia Bortolotto Tomasi

Una vera e bela soto acquaQuem completou seu ciclo e nos deixou na semana passada aos 82 anos, foi a Dona Olívia Bortolotto Tomasi. Residente no distrito de São Bento Baixo em Nova Veneza, Dona Olivia era minha amiga e gostávamos muito de conversar, principalmente história no dialeto/língua vêneta. Meus sentimentos aos familiares, parentes e amigos como Eu. A ela a paz no descanso do sono eterno. “Paxe”

Una vera e bela soto acqua

Todos os dias as notícias do
Portal Veneza no seu e-mail

Leia nossa política de privacidade para mais detalhes.

comentários

Clique aqui para comentar
  • No tópico sobre “Storia dela imigrasion”, é citada a Sra. Irene Pasquali Ostetto, esposa do Sr. Virgílio Ostetto. Mãe de sete filhos (quatro mulheres e três homens) foi um exemplo de dedicação à família, de trabalho “duro” e de fé. Em 1985, portanto, há 35 anos, foi convidada para prestigiar a inauguração da primeira rodovia asfaltada de Nova Veneza, ligando a Criciúma, via Caravaggio. Há foto desse evento em livro de seu filho Dr. Mário Luiz Ostetto. Na época ela deveria ter 88 anos. Homenagem merecida!

  • Tópico “Storia dela imigrasion – D. Irene Pasquali Ostetto foi a única imigrante italiana (sobrevivente) que esteve presente junto ao Monumento ao Imigrante, quando da inauguração, em 1985, da nossa primeira rodovia asfaltada ligando Nova Veneza a Criciúma, via Caravaggio. Na época, ela tinha 88 anos. Mãe dedicada ao trabalho, carinhosa e de muita fé. No livro de seu filho, Delegado Especial Mário Luiz Ostetto, há foto, registrando esse evento.