Dissertando sobre um mundo,
Que parece tão diferente,
Daquele que conheci pouco tempo atrás,
Perco as palavras,
No meio da frase anterior!

Falando sobre gente,
Que consente tantas coisas,
Penso em muitos dias,
Que na solitude de um bordel,
Foi-se perdido,
O que já nem sei mais o que era!

Pensando nos minutos,
Que passam despercebidos,
Enquanto na dança se compassa,
Ou deixa-se passar,
As verdades que tentamos esconder!

E acreditando no parênteses,
As reticencias mostram elementos,
Que até então,
Presentes se faziam!
Mas esquecidos sem porque,
Nada diziam,
Que não, o pouco que poderiam calar!