Prefeitura
Colunistas

Sem pontaria

Em 33 rodadas de Série B, o Criciúma foi às redes 34 vezes. É apenas o 11º melhor ataque da competição. O pragmatismo do Tigre de Mazola Júnior é retratado quando se observa que oito das dez vitórias no torneio foram por um gol de diferença. Suficiente para conseguir os triunfos necessários para deixar o inferno da zona de rebaixamento, mas um fardo quando se precisa de um algo mais para ganhar uma partida.

Já são quatro jogos sem vencer e três onde o Criciúma demonstra muitas dificuldades na pontaria. Na derrota para o Brasil por 1 a 0 foram seis finalizações; no empate sem gols diante do São Bento, cinco chutes; já na derrota por 3 a 2 para o Figueirense, esse número subiu para sete. Como cobrar mais gols finalizando tão pouco? E por que tão escassos chutes?

Nos três jogos, Mazola Júnior teve desfalques de jogadores chave na construção ofensiva: o lateral Marlon, ausente nos últimos dois jogos, e o centroavante Zé Carlos, que atuou apenas contra os paulistas.

O defensor é o ponto propulsor na saída de bola, costuma sempre esticar bons passes para os homens de frente, seja Vitor Feijão na velocidade ou para o próprio Zé Carlos segurar a bola e aguardar a aproximação dos companheiros de time. O principal benefício de Zé, aliás, é esse: ele retém bem a bola, consegue brigar com os zagueiros adversários e fazer boas combinações perto da área. Se tornou mais cerebral do que destruidor, se comparado ao auge de 2012.

Veneza Multimarcas
Fabio Bratti Engenharia
Rovaris Auto Center
Gran Amore
Veneza Construções
Anaquel Estética

Tanto Marlon quanto Zé Carlos não possuem substitutos de características semelhantes, e isso evidenciou o pouco repertório ofensivo do Criciúma. Faltam peças? Falta capacidade para o treinador? Um pouco de cada?

As respostas para estas questões pouco importam. É fim de temporada, restam poucos jogos para acabar o ano e qualquer construção de repertório futebolístico é impossível. Mazola Júnior precisa encontrar soluções rápidas e até genéricas para espantar de vez o fantasma do rebaixamento. O que não pode é ver o time finalizar menos de dez vezes por três jogos seguidos e não resolver isso.

A situação do Tigre ainda não é alarmante, lembremos. Mas se não acertar a pontaria…


Coopera rodapé
Topo