Santa Catarina investirá R$ 568,4 mil no combate à cigarrinha-do-milho
©Cirio Parizotto
Agronegócio

Santa Catarina investirá R$ 568,4 mil no combate à cigarrinha-do-milho

Com uma quebra de 20% na produção esperada de milho, Santa Catarina cria soluções para minimizar os impactos da cigarrinha-do-milho nas lavouras. A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural investirá R$ 568,4 mil no Programa Monitora Milho SC, focado em pesquisa, desenvolvimento e inovação que minimizem as perdas e evitem o mesmo problema na próxima safra.

“A cigarrinha-do-milho causou prejuízos em praticamente todas as regiões de Santa Catarina. E nós precisamos nos preparar, utilizando todas as ferramentas disponíveis e em conjunto com o setor produtivo, para evitarmos novos danos em nossas lavouras. O Programa Monitora Milho SC atuará em diversas frentes, desde a pesquisa científica, até a orientação e emissão de alertas para produtores rurais. É uma medida urgente”, destaca o secretário da Agricultura Altair Silva.

O Programa Monitora Milho SC irá delimitar a presença da cigarrinha-do-milho nas lavouras catarinenses, com o monitoramento constante e a melhoria da comunicação com produtores. A intenção é criar mecanismos para tornar possível a comunicação dos órgãos de defesa sempre que houver sintomas de enfezamento em suas áreas, além de receber alertas quando houver ocorrência de cigarrinha na região. A expectativa é observar 20 pontos em todo o estado.

“Teremos um grande avanço no combate à cigarrinha e outras pragas do milho em Santa Catarina. Nós temos a necessidade de acompanhar a evolução da praga no estado, delimitar a sua ação e monitorá-la. Precisamos saber onde a praga está, como ela está e como ela se propaga dentro do nosso território e, com base nessas informações, podemos definir as estratégias para combatê-la. A partir desses dados poderemos fazer a prevenção e o controle, além de racionalizar o uso de defensivos”, explica o secretário adjunto Ricardo Miotto.

Os recursos de meio milhão de reais serão repassados à Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), que trabalhará em conjunto com a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), para o desenvolvimento de ferramentas de acompanhamento das lavouras, da evolução da cigarrinha e de formas adequadas para conscientização dos produtores rurais.

O projeto foi aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento Rural (Cederural) durante reunião ordinária nesta quinta-feira, 8 de abril.

Conscientização dos produtores

O Programa Monitora Milho SC contempla ainda ações para conscientizar os agricultores da importância de eliminar o milho “tiguera” no período de outono/inverno, além de outras práticas culturais que podem reduzir os impactos. É imprescindível que os produtores entendam que o manejo da cigarrinha deve ser feito de forma regionalizada.

“De nada adianta uma propriedade fazer o controle e a outra não porque a cigarrinha tem uma capacidade de voo de mais de 30 km. O monitoramento é muito importante, mas é fundamental que todos os produtores estejam atentos e contribuam com esse trabalho. Porque temos que atuar de forma regionalizada para combater essa praga. Todos devem se unir nesse trabalho de manejo e controle”, ressalta Ricardo Miotto.

Outras ações de combate à cigarrinha-do-milho

Desde setembro do ano passado, pesquisadores da área de fitossanidade da Epagri/Cepaf estão capacitando técnicos das equipes de extensão rural e de cooperativas para monitorar o problema, inclusive com a realização de testes moleculares para avaliação de populações infectivas.

A Secretaria da Agricultura, Epagri, Udesc, Cidasc, Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc) e a empresa CropLife se uniram em um comitê multi-institucional buscando construir ações pró-ativas e proposições técnicas para subsidiar as ações do Governo do Estado e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Além disso, a Cidasc e a Epagri estão apoiando os produtores rurais na elaboração dos laudos de renegociação de parcelas de financiamentos junto aos bancos.

Impactos na safra de milho

A cigarrinha-do-milho vem causando estragos nas lavouras de Santa Catarina. O estado, que esperava colher 2,9 milhões de toneladas, terá uma redução de 20% na produção esperada. Segundo o Centro de Socioeconômica e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), os produtores catarinenses deixarão de colher mais de 800 mil toneladas de milho, principalmente nas regiões de Chapecó e São Miguel do Oeste.

A cigarrinha-do-milho já esteve presente nos milharais de Santa Catarina em outros períodos, porém em baixas populações ou taxas de incidência. O que aconteceu na última safra foi que as condições ambientais favoreceram a sobrevivência do milho voluntário (conhecido como tiguera) nas regiões de menor altitude e encostas de rios. Há possibilidade ainda de ter acontecido um fluxo de populações migrantes de outras regiões de cultivo para Santa Catarina.

Por Ana Ceron

Todos os dias as notícias do
Portal Veneza no seu e-mail

Leia nossa política de privacidade para mais detalhes.