O Jardim das Borboletas, escrito por Dot Hutchison, é um livro com uma história doentia, que mostra a loucura de um homem e seus filhos que sequestram jovens garotas e as mantém em cativeiro por prazer. O Jardineiro, como o personagem é conhecido na história, identificava cada garota pelo nome de uma espécie de borboleta e as tatuava, deixando-as viver em um espaço exclusivo para isso em um jardim encantador com muitas flores e árvores.

Por muitos anos o Jardineiro viveu assim, tendo duas vidas, uma com sua família e sociedade, e outra com as garotas. Então Maya, uma das borboletas, é levada para a delegacia quando o local é descoberto e as meninas são resgatas, mas ela parece não estar muito disposta a revelar tudo o que sabe para os agentes do FBI. Maya também tem seus segredos e ela quer protegê-los por mais tempo que conseguir.

É incrível como a autora consegue criar um personagem sádico com uma mente tão perturbada e que para ele é tudo normal o que está fazendo, mas o diferencial é a forma que conduziu a narrativa de Maya sobre o local, o que viveu antes de ser sequestrada, como foi no cativeiro e seu comportamento ao ser resgatada porque algumas coisas não parecem se encaixar e somente no final se descobre o que ela quer esconder e o motivo que faz isso. E isso é outro ponto positivo na narrativa. Quem ler este livro com certeza não vai ficar sossegado, sentimentos vão aparecer e dúvidas vão surgir. Paralelo aos acontecimentos do jardim e da delegacia, a autora também conta um pouco da vida de Maya, que é a protagonista, para facilitar o entendimento de seu comportamento.

O Jardineiro tem tudo arquitetado, segue a risca sua rotina e tudo é descrito nesta obra, tornando a leitura ágil e fazendo com que se queira terminar logo para conhecer o fim que esse personagem vai ter, pelo horror que propaga. O processo de transformar as meninas em borboletas, a adaptação quando chegam ao jardim, o ciclo de vida delas e o que faz com cada corpo quando chegam ao fim do ciclo são algumas das loucuras que a autora cria na mente deste homem. Na narrativa ainda há os comportamentos das garotas, com personalidades diferentes, com atitudes para tentar viver da melhor forma neste lugar horrível.

Ao mesmo tempo que O Jardim das Borboletas é um horror, é um livro que prende a atenção a cada página e para quem está acostumado com este estilo de leitura nada romântica, um thriller com muitos detalhes, com certeza vai gostar desta história.

O Jardim das Borboletas, de Dot Hutchison – 300 páginas.