Sabe aquela história de a sua mãe te dizer que você não é igual ao seu irmão? Ou você sentir-se inferior por não ter o mesmo sucesso que seu colega de trabalho? Ou a frustração oriunda depois de manusear suas redes sociais e visualizar a vida deslumbrante que todos aparentam ter? Isso se chama C O M P A R A Ç Ã O.

Imagine que agora você está no supermercado e está olhando dois refrigerantes: se imagine comparando os rótulos, visualizando cada elemento, as calorias, nutrientes, etc. Esses produtos podem ser comparados tranquilamente, pois são PRODUTOS ROTULADOS. Possuem data de fabricação, data de validade, e uma função em específico. VOCÊ NÃO.

Percebe onde eu quero chegar?

Em uma sociedade cada vez mais automática e robotizada, precisamos recordar que somos GENTE. E ser GENTE trata-se de sentir, pensar, agir de acordo com nossos pensamentos e emoções. Você pode estar passando por alguma dificuldade hoje, e isso não lhe faz inferior e não lhe desqualifica: significa que você é um ser humano. Olhe para esta situação difícil e avalie o que você tem aprendido com ela.

Mas que sentido faz, falarmos sobre isso?

As redes sociais estão bombando, é só você dar uma pesquisadinha nos “digital influencers” e em seu número de seguidores. Nada contra, até acho bacana nos conectarmos com várias pessoas, estamos em constante aprendizado. O problema é quando eu NECESSITO ter a bolsa igual a da moça que eu sigo na rede social, é quando eu entro em crise se eu não almoçar no restaurante X que a pessoa que eu admiro vai, é eu me sentir inválido se não for igual o outro. Se eu não atingir os padrões do outro. Se eu não viver pelo outro.

E você, onde fica no meio disso tudo?

Não fica, né? Fica aí, sofrendo. EI: Respira! Você não é o outro. Sabe porque?

Porque você é você. O outro tem a história de vida dele, as concepções dele, as construções pessoais dele, realidade de vida: assim como você. Todos somos pessoas únicas, cada qual com suas questões – positivas e negativas. O saudável é nos conectarmos com as outras pessoas virtualmente e aprendermos, nos divertirmos, apoiarmos uns aos outros.

Quando isso torna uma necessidade de comparação associado a algum sofrimento, como a frustração e a invalidez, por exemplo, precisa ser avaliado e olhado com atenção. Não vamos nos resumir a um produto, né? Somos GENTE. E Gente pensa, sente e age. Como você tem agido em sua vida?

SEJA O PROTAGONISTA DA SUA VIDA

Eu sei que nem sempre nos damos conta “de cara” que estamos nos comparando com o outro, e grande parcela da população já se comparou algum dia, ainda que, na infância. Lembra daquela amiguinha na escola que tinha a mochila melhor que a sua, e você não gostava dela por conta disso? Mais ou menos assim.

Mas respira fundo. Avalie seus objetivos, suas metas, onde você quer chegar. Ao invés de se comparar com o outro, olhe para trás e veja o quanto você evoluiu: valorize suas conquistas, por menores que sejam, elas são SUAS! E outra, nem tudo o que é postado/mostrado é real, viu? Ou você já viu alguém postando as dificuldades financeiras? Os boletos…?

Pois é.

A vida real vai muito além disso. A vida real é viver de forma real: em meio aos dias bons, aos dias difíceis: e todos estes tem algo a nos ensinar. Não se compare: cuide de você! Cuide da sua saúde emocional.

E se desejar conversar, fico à disposição.

Abraço fraterno!

Participe conosco! Envie suas dúvidas ou sugestões para o e-mail gihh_b@hotmail.com Fico à disposição também no Instagram: @psicologagiovanacbaroni