Colunistas

A que conclusão chegamos?

Hoje, quando me perguntam se Deus existe (e quando eu me refiro a “hoje”, é hoje mesmo e não a trinta dias atrás), eu respondo que sim. Se me perguntarem se ele criou o mundo, respondo que acredito que não. Eu realmente não sei por que cheguei a este ponto, pois eu defendia com unhas e dentes a existência de Deus e a sua criação, o mundo. Mesmo havendo muitos motivos para explicar e justificar o porquê de hoje eu cogitar a possibilidade de que Deus não tenha criado o mundo, mesmo assim, eu temo que Deus esteja me olhando decepcionado. Imagino Ele dizendo: “Tudo o que fiz por você, meu filho, tanto que lhe ajudei, lhe protejo todos os dias e você dizendo isso? Vou te provar que eu existo.”.

Eu tenho muito medo dessa prova, pois o Deus que conheci por meio da Bíblia prova que Ele existe por maneiras bonitas, mas também pode levar certas pessoas ao extremo. Então, será que eu, ao temer a Deus, significa que eu ainda acredito nele? É óbvio que sim.

Então, como acreditar que Deus existe e não acreditar que Ele criou o mundo? Eu acredito que Ele existe como um superpai para as pessoas. Afinal, quem nunca quis ter alguém superpoderoso ao seu lado, a quem recorrer quando nada mais for possível?

Geralmente, Ele é lembrado em situações extremas. Contudo, tem gente que discorda disso, dizendo que sempre vai à missa ou aos cultos, não apenas para pedir, mas também para agradecer. Só que isso é dívida e crédito. Alguma vez esta pessoa recorreu a Deus em uma situação que ela “pensava” que nada mais podia ser feito.

Quando, por algum motivo, o problema se resolve, ela cria um tipo de “crédito e dívida” com Deus. “Se eu for para a igreja toda semana sem ter nenhum problema, eu estou prevenindo algo ruim para mim, pois Deus sempre estará me protegendo”. É o mesmo que você tomar a vacina da gripe para não ficar gripado.

Contudo, é tão fácil dizer que Deus não existe e se dizer ser ateu quando se está saudável, o difícil é quando se tem uma doença terminal e que não há mais nada o que fazer. Neste caso, eu vou recorrer a algo muito mais poderoso do que os humanos: Deus. Lembrando que estou falando do Deus da Bíblia e não de outros vários deuses que as pessoas acreditam e que funcionam da mesma maneira.

Mas, eu realmente temo muito a Deus e estou com medo escrevendo isso, por que sei que, se Deus existe, Ele me conhece por dentro. Algo que me deixou ainda mais preocupado foi quando falei para minha mãe que não acreditava mais em Deus, mesmo que eu tenha falado da boca para fora. Minha mãe ficou muito triste e disse que eu não sabia o que estava falando, pois, todos os dias, ela orava para que Deus me protegesse. Fiquei desarmado, mas continuei defendendo o que eu tinha dito. Quando saí da casa dela, a primeira coisa que fiz foi pedir perdão a Deus, mas para ela, eu continuava sendo ateu. Isto porque eu quero que Deus exista e ao mesmo tempo não quero acreditar em algo que não existe.

Imagine como seria o mundo se alguém conseguisse provar concretamente que Deus não existe. Seria um caos na minha opinião. Encerro esta série por aqui, pedindo perdão a Deus se estou blasfemando desde o começo. E que vocês fiquem com Deus.

Topo
NOSSAS NOTÍCIAS NO SEU E-MAIL
Receba uma vez por dia no seu e-mail, as notícias do Portal Veneza
Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros.