Alerta! Alerta! Se a sua preocupação com o outro não for com intuito de ajudá-lo, você acabará prejudicando-o e, mais, acabará prejudicando a si mesmo.

As pessoas têm a grande tendência de olhar para o outro, julgando-o. Muitas preocupações com a vida alheia são em vão. Ao invés de ficar somente olhando para as atitudes dos outros (refiro-me quando o foco não tem utilidade), olhe para o seu interior, suas atitudes e seus pensamentos. Há pessoas que sabem mais sobre outrem do que de si mesmas.

Precisamos aprender com os grandes sábios que já passaram por este mundo. Sócrates mencionou: “Conheça-te a ti mesmo”. Certamente ele identificou esta falha na humanidade de sua época, a saber: A falta de conhecimento do próprio “eu”. O apóstolo Paulo também sinalizou sobre isso dizendo: “Examine-se, pois, o homem a si mesmo…” (1 Coríntios 11.28). Era notável que muitos estavam mais preocupados com a vida alheia do que consigo mesmos. O mesmo apóstolo alertou o jovem Timóteo: “Cuida de ti mesmo…” (1Timóteo 4.16). Este alerta era para que o jovem, antes de cuidar do rebanho de Deus, deveria fazer uma autoanálise de suas atitudes, caráter, etc.

Para que este texto não fique apenas em uma leitura vã, precisamos colocá-lo em prática. De outra forma, serão, mais uma vez, apenas palavras e mais palavras…

É importante (uma vez mais) que fique registrado: Nossa preocupação com o outro, na maioria das vezes, é maléfica e isso causa um grande mal em nosso interior.

As referências citadas acima, se colocadas em ação, são como: “Maçãs de ouro em salva de prata…” (Provérbios 25.11).