Por Deize Felisberto

Foram premiados na noite desta quinta-feira, 31, os medalhistas de Siderópolis, Içara, Cocal do Sul, Nova Veneza, Balneário Rincão, Forquilhinha e Maracajá, além de entregues as premiações especiais

A sexta edição do Prêmio Acic de Matemática foi encerrada oficialmente na noite desta quinta-feira, 31, com a solenidade de premiação aos medalhistas de Siderópolis, Içara, Cocal do Sul, Nova Veneza, Balneário Rincão, Forquilhinha e Maracajá. Durante a cerimônia, realizada na sede da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), também foram premiados os estudantes de melhor desempenho e o recordista em medalhas de ouro.

Entre os premiados, o orgulho de voltar para a casa com a medalha. Para Tayná da Silva da Rosa, um sentimento que se repetiu com a conquista do ouro pela terceira vez. “A prova este ano teve o mesmo nível de dificuldade dos anos anteriores”, avalia a estudante de Cocal do Sul, que participa do Clubinho de Matemática em sua cidade desde o quinto ano – ela está no nono ano.

O maior número de medalhas, 40, coube a alunos de Içara. Cocal do Sul teve 22 medalhistas, enquanto Siderópolis somou 19. Estudantes de Nova Veneza conquistaram 18 medalhas e de Forquilhinha foram 12 medalhistas. Participando pela primeira vez do prêmio, Balneário Rincão contabilizou 13 medalhistas e Maracajá, 11.

Autoridades, pais, professores, diretores e dirigentes dos sete municípios participaram da solenidade. “O Prêmio Acic de Matemática, além de despertar nos adolescentes, nas crianças e nos jovens essa possibilidade de sempre ir adiante, entendo que desperta um sentimento de pertencimento na comunidade escolar como um todo. Envolvem-se pais, professores, coordenadores, diretores e resulta em melhorias significativas nas escolas”, avalia Ronisi Cristina Guimarães, coordenadora Regional de Educação de Criciúma e região.

Menção honrosa

O Prêmio Acic de Matemática também reconheceu o trabalho de 25 professores e 19 escolas, dos oito municípios, com menções honrosas. “É muito importante valorizar os alunos que gostam e se dedicam. Sabemos que a matemática está presente no nosso cotidiano cada vez mais, principalmente com o avanço da tecnologia. É um estímulo”, entende a professora Cristiane Cypriano, uma das homenageadas.

Ela leciona na Escola Ângelo Zanellato, da rede municipal de Içara, que somou 12 medalhas e é uma medalhista frequente na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). “Estamos aguardando os resultados da Obmep, mas estamos muito confiantes”, afirma.

A premiação foi iniciada pela manhã, com a entrega de 151 medalhas aos vencedores de Criciúma – ao todo, foram premiados 286 estudantes. Neste ano, a Acic também inova oferecendo aos alunos vencedores uma medalha virtual em parceria com a empresa Certifay. Além de medalhas, os estudantes receberam bolsas de estudo para curso de inglês.

Tablets

Dois estudantes da rede municipal de Içara tiveram o melhor desempenho, entre os participantes dos nove municípios, e por isso levaram premiações especiais. Alessandro Matias Machado, aluno da escola Quintino Rizzieri, e Kauã Mariani Ferreira, da escola Ângelo Zanellato, receberam tablets.

Medalhista de ouro pelo quinto ano seguido, Kauã de Souza Zeferino, da Escola Jorge Bif, da rede municipal de Siderópolis, também foi contemplado com um tablet. “Não imaginava que seria medalhista todos os anos. No primeiro ano fiquei bastante feliz e depois fui continuando. A quinta medalha foi uma sensação ótima”, revela.

Dever cumprido

“Meu sentimento é de dever cumprido, porque os empresários têm um dever muito grande com a sociedade, que é contribuir para melhorar cada vez mais a educação. E o Prêmio Acic de Matemática está contribuindo e muito para melhorar o nível da educação”, enaltece o presidente da Acic, Moacir Dagostin.

Ele confirma a realização da sétima edição do prêmio. “Com certeza, teremos no próximo ano, ainda não sabemos com quantos municípios, porque hoje estamos com oito e tem muitos pedidos. Vamos ver se conseguimos atender a todos e assim o número de participantes será muito maior”, projeta.

A coordenadora de Projetos Educacionais da Acic, professora Rose Reynaud, diz que o sentimento após a sexta edição é de realização e muita alegria. “Não há dinheiro que pague, nem expressão que possa traduzir o que sentimos quando avistamos uma plateia com a de hoje, tanto de manhã quanto no período noturno. Uma plateia de crianças, de jovens, de pais, avós, professores, gestores, todos com o mesmo objetivo”, aponta.

“Nós sentimos pulsar o coração das crianças quando sobem no palco para receber sua medalha e com certeza vão alimentar o sonho de cada dia ser melhor. Trazer a premiação dos municípios do entorno para a sede da Acic foi o grande diferencial desta edição e também a inovação com as medalhas virtuais”, declara.

Medalhas por município

Criciúma – 151 medalhistas (15 ouro, 45 prata e 91 bronze)
Siderópolis – 19 medalhistas (5 ouro, 6 prata e 8 bronze)
Nova Veneza – 18 medalhistas (5 ouro, 6 prata e 7 bronze)
Içara – 40 medalhistas (5 ouro, 17 prata e 18 bronze)
Cocal do Sul – 22 medalhistas ( 5 ouro, 9 prata e 8 bronze)
Balneário Rincão – 13 medalhistas (5 ouro, 4 prata e 4 bronze)
Maracajá – 11 medalhistas (5 ouro, 3 prata e 3 bronze)
Forquilhinha – 12 medalhistas (4 ouro, 4 prata e 4 bronze)