Por Willians Biehl

Policiais da Divisão de Repressão a Entorpecentes (DRE), da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Criciúma, prenderam no fim da tarde dessa terça-feira, 24, Ramom Ouriques Laurindo, de 29 anos.

Natural de Criciúma, Ramom era professor de capoeira em oito escolas da região e estava sendo monitorado há um mês pelos investigadores. Nesta terça-feira, saiu de uma das escolas onde trabalhava às 17h45min, foi até sua residência no bairro Jardim Florença em Nova Veneza, tomou um banho, pegou aproximadamente 2kg da droga e foi fazer uma entrega. Ele acabou sendo preso no bairro Santa Luzia em Criciúma.

Em sua residência os policiais encontraram um alçapão no assoalho que dava acesso aos 65,3Kg de cocaína pura, além de outra quantidade de pasta base, que provavelmente seria utilizada para a fabricação de crack.

O professor é considerado pela polícia um distribuidor, ele entregava a droga para o traficante final, este por sua vez, fazia a venda aos usuários.

Conforme o delegado que comandou a operação, Jorge Giraldi, esta é a maior apreensão de cocaína na região. “Era um cara simples, não ostentava, tinha um carro popular. Ele intercalava a entrega das drogas com suas aulas de capoeira em várias escolas da região,” revelou Giraldi.

Prejuízo milionário para o crime organizado

A cocaína apreendida é pura, e cada quilo é comercializado por até R$20 mil. Assim que chegasse no traficante final seria ‘batizada’ e renderia no mínimo o dobro do peso, sendo adquirida pelo usuário por R$50 o grama. Vendido o entorpecente apreendido renderia mais de R$6,5 milhões.

Na operação também foram apreendidos R$6,4 mil em dinheiro e uma carabina de pressão com mira telescópica, além de objetos para pesagem e embalagem da droga.