No antigo testamento, o nosso Deus era visualizado como um senhor das guerras, o intocável e isso o distanciava, de certa forma, do seu povo adorador. Na vinda de Jesus, a forma como Deus se expôs por meio dele foi muito singela e devido a isso, muito questionada. A simplicidade e humildade de Jesus eram características que faziam com que os fariseus, por exemplo, duvidassem ainda mais de Sua natureza divina.

A sociedade da época que esperava o messias, o imaginava como um grande líder espiritual, mas também como um líder político que travaria guerras para a justiça de seu povo. Jesus, por outro lado, procura esclarecer, cada vez mais, que seu reino não era desse mundo. Independentemente do quanto os doutores da lei o testassem, duvidassem, ele sempre esclarecia que era o rei de um reino que não era esse. E para isso, utilizava parábolas, tonando assim, possível a compreensão por grande parte do povo.

Através da morte de Jesus, o véu do templo se rasga e a partir desse momento, todos os fiéis podem ter acesso à Deus por meio de orações. No dia de pentecostes, então, a proclamação de Jesus sobre a vinda do Espírito Santo se concretiza, e ele se torna “o cara da vez” que auxilia, de forma essencial, na difusão da Igreja e da palavra, por meio dos dons, carismas e tudo o que Ele proporciona.

Para entender mais, acesse nosso canal no YouTube:

Graça e paz!

Instagram.com/proclamandoagloria
twitter.com/goj_pg
facebook.com/proclamandoagloria
YouTube.com/FamíliaPG