Por MPSC

Ação faz parte de uma operação nacional de enfrentamento à corrupção e à lavagem de dinheiro deflagrada em 10 estados na manhã desta quinta-feira, 12, pelos Ministérios Públicos estaduais.

Foi deflagrada nesta quinta-feira, 12, a operação Embuste, que apura crimes de associação criminosa, corrupção passiva e ativa, peculato e fraude processual. A ação é do GAECO, em apoio à 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Turvo, no Sul do Estado.

A operação Embuste faz parte de uma ação nacional de enfrentamento à corrupção e à lavagem de dinheiro em 10 estados foi deflagrada pelos Ministérios Públicos estaduais. Em Santa Catarina, além desta operação, outra foi deflagrada em Chapecó.

A pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), foram expedidos pela Vara Criminal da Comarca de Turvo três mandados de prisão temporária, três afastamentos das funções públicas e três mandados de busca e apreensão. Os mandados foram cumpridos nesta tarde por Policiais do GAECO.

A investigação da Promotoria de Justiça iniciou com a instauração de Inquérito Civil e buscou averiguar o efetivo uso de peças adquiridas por meio de empenhos pela Prefeitura Municipal de Ermo/SC para reparos em caminhões usados na coleta do lixo urbano naquele município.

Após reunir elementos que indicaram fraude na aquisição e nos serviços mecânicos, foi instaurado Procedimento de Investigação Criminal que culminou com a identificação de crimes de associação criminosa, corrupção passiva e ativa, peculato e fraude processual.

O esquema criminoso desvendado contava com a participação de servidores públicos municipais, dentre eles, dois secretários municipais, que agiam em conluio com empresários. Os investigados se valiam de manobras dissimuladas e subterfúgios visando não ter a prática dos seus crimes revelada, fato este que motivou o nome da operação.

Chapecó

Em Chapecó, no Oeste catarinense, foi deflagrada a operação “Negócio Acessível”, que investiga crimes de corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, advocacia administrativa e falsificação de documentos públicos. A operação do GAECO ocorre em apoio à 10ª Promotoria de Justiça da comarca.

A pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), o Judiciário expediu e já foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e dois mandados de aplicação de medidas cautelares. Os envolvidos estão proibidos de contato com testemunhas ou servidores públicos e de acessar às dependências de órgãos públicos municipais. Também houve a suspensão do exercício do cargo público. As investigações contam com o apoio da Procuradoria do município de Chapecó.

A ação é articulada pelo Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC), colegiado que reúne os Gaecos do Brasil, a operação nacional cumpre 87 mandados judiciais, dentre busca e apreensão, prisão, afastamento de funções públicas e uso de tornozeleiras eletrônicas.