Por Giovana Colombo Baroni – Psicóloga CRP 12/17683

Acabamos de sair de outubro: um mês cor-de-rosa que nos relembrou o quão importante é olhar para a saúde da mulher. Chegamos então, em um mês azul: o novembro. Mês em que a campanha para a prevenção do câncer de próstata ganha força e é celebrada no mês todo com a simbologia do Novembro Azul.

Mas qual a relevância de se falar sobre isso em uma coluna de Psicologia?

Sabe aquelas frases clichês que se ouve desde criança? “Homem não chora, tem que ser forte”, “seja maaacho, meu filho!” “Que isso, chorando por um machucadinho?” Mesmo não sendo verdade, elas ainda podem influenciar – e influenciam a vida de alguns homens: o suficiente para que eles não cuidem de sua saúde – física e emocional, já que precisam mostrar-se fortes o tempo todo.

Diante disso e da nossa realidade de vida atualmente, é necessário quebrarmos alguns paradigmas – como os citados acima – e lembrarmos que o homem é um ser humano acima de tudo – sente como todos os seres humanos. Para esclarecer, quando me refiro a homem, estou me referindo ao gênero – sexo masculino, ok? Não estamos entrando aqui em questões de orientação sexual.

Entretanto, o Instituto Nacional do Câncer coloca “no Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos e considerando ambos os sexos, é o segundo tipo mais comum.” Contudo, com um diagnóstico precoce, o tratamento tem grandes chances de cura, e por isso ressalta-se a importância da prevenção. Quanto antes descobrir, mais chances de um tratamento eficaz.

Porém, atento-me ainda, às demais questões de saúde que nem sempre o homem dá a devida atenção: a saúde psicológica. Por muito tempo, os homens que sofriam com algum tipo de acometimento psicológico era visto como fraco, frustrado… Mas não é bem assim que a banda toca. Como citado anteriormente, o homem é um ser humano como qualquer outro e deve ser respeitado. Homem pode chorar sim, pode ter dias ruins sim, e pode pedir ajuda sim!

Ainda hoje, muitos homens possuem dificuldade de falar sobre seus sentimentos, expressar suas emoções e serem o que, de fato, querem ser – diante dos estereótipos sociais e da ideia de patriarcado. O que é bacana nos perguntarmos nesse sentido é: será que vale a pena ficar alimentando uma expectativa social, ou está na hora de construir minha própria história?

Assim como no outubro rosa falamos sobre o autocuidado, aqui no novembro azul também é importante relembrarmos. O Autocuidado é uma forma de demonstrar amor a si próprio, e se eu não estiver bem comigo mesmo, como estarei bem com os outros? Fica a reflexão.

Por isso, é importante visitar seu médico, avaliar se está tudo bem com você e tirar um tempo para si – entendo que a rotina do dia a dia muitas vezes dificulta essa possibilidade, mas priorize-se ao menos, uma vez ao ano. Caso você tenha sintomas psicológicos – não esteja se sentindo bem com algumas questões da sua vida, busque suporte psicológico, você não será menos homem por isso!

Cuidar de si é um ato de amor!

Cuide-se!

Participe conosco! Caso tenhas alguma dúvida ou sugestão, fique à vontade para entrar em contato pelo e-mail gihh_b@hotmail.com. Receberei com afeto! Abraço fraterno!