Minha soberba,
Sua soberba,
Nossa soberba,
Nos impede de pensar!
De falar para o mundo,
O que fingimos não ver,
Logo na esquina que cruzamos!

Minha reclamação,
Sua reclamação,
Todas as reclamações,
Camuflam a ousadia,
Do nosso próprio ser,
Que insiste em dizer,
Que a culpa é do outro!

Minha condenação,
Sua condenação,
Que tememos dia a dia,
Faz com que calemos mais uma vez!

Não fui eu!
Não foi você!
Nunca foi ninguém,
E todos cegos,
Continuamos felizes!