Colunistas

Margarete Ugioni: Amor à Pátria, apesar de tudo.

Dias atrás, eu estava em casa com meus dois netos menores, Mariana de 6 anos e o Miguel de 5 anos, eles brincavam no quarto enquanto assistiam um programa de esportes na TV.

Eu andava de um lado para outro pela casa atrás dos afazeres domésticos, e de vez em quando, passava na frente do quarto para conferir se estava tudo certinho entre eles. Ninguém duvida que mesmo tão jovens eles venham a se desentender, não é?

Certo momento, ao passar no quarto, percebi que eles estavam de pé, sérios, concentrados na tela da televisão e cantando o Hino Nacional com os atletas de um esporte que iniciava, na hora fiquei tão emocionada que não ousei entrar e tirá-los daquele gesto tão cívico.

Foi muito bonito, simples e respeitoso o amor que demonstraram pelo nosso querido Brasil. Quando vi que não mais cantavam não resisti e perguntei o que estavam fazendo e o Miguel me respondeu: “É o nosso Brasil que tá jogando, vó”!

E a Mariana completou: “Vó, nós moramos no Brasil, não é”? Sim, respondi. E ela continuou: “Vó o Brasil é nossa terra mãe, é nela que moramos e cantar o Hino Nacional é respeitar ela. Não podemos fazer nenhum mal pra ela, a gente deve gostar e fazer só coisas boas pra ela”.

Disse ainda o Miguel: “Sabe vó, sempre que um time joga eles cantam essa “música” do Brasil. É vó, o Brasil é nosso amiguinho”.

Gente, fiquei tão emocionada e surpresa que as palavras me faltaram, tive vontade de chorar diante da atitude destas duas crianças.

Será que não está faltando em nós adultos esse sentimento de amor à Pátria? A gente culpa o Brasil de tantas coisas ruins, mas o Brasil é um dos melhores países para se viver, apesar de tantos fatos negativos que estão acontecendo ultimamente. Basta conversarmos com as centenas de imigrantes que escolheram aqui viver, na perspectiva de um futuro melhor, que saberemos o valor que dão ao Brasil.

O Brasil é bom, é uma terra abençoada por Deus, temos serra, água e mar. Temos também um clima que favorece a lavoura em qualquer parte do país, dando-nos frutos que, inclusive, são exportados para várias partes do Mundo.

O que nos falta são representantes da lei que levem o país e seu povo a sério. Falta vergonha na cara de muitos, mas temos em nossas mãos o poder de mudar o que está errado, basta querermos.

Não posso e nem devo quebrar o encanto e o respeito que nossas crianças ainda possuem pela Pátria em que vivem.

Tenho sim, a obrigação de lutar e promover um Brasil de futuro promissor para nossos filhos e netos.

E viva Ó Pátria amada, idolatrada, Salve! Salve!

Topo
NOSSAS NOTÍCIAS NO SEU E-MAIL
Receba uma vez por dia no seu e-mail, as notícias do Portal Veneza
Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros.