Colunistas

A Importância da Família na Vida Escolar dos Filhos

Família: o primeiro contato social do bebê, que é responsável por cuidar, zelar e atender às necessidades do pequeno. Conforme a criança vai crescendo, é a família quem ensina os valores, questões culturais, princípios, crenças, entre outras questões que são particulares de família para família. É neste meio que aprendem-se regras, limites, respeito ao próximo, entre outras questões. Porém, filhos não chegam com manual de instrução e falaremos disso um pouco mais a frente.

Já a escola, é uma instituição de ensino que possui o papel de passar o conhecimento ao estudante (mesmo que esteja apenas na creche, pré-escola, ou até mesmo nas demais etapas da vida escolar de uma criança). É neste ambiente que os laços sociais acabam aumentando, pois a criança precisa criar estratégias para lidar com muitas pessoas que antes não conhecia, e agora, irá ter contato mas todos os dias. É papel da escola buscar meios para que os estudantes adquiram o conhecimento passado, portando profissionais de qualidade e com olhar atento ao pequeno.

Diante disso, podemos nos questionar: mas o que uma coisa tem a ver com a outra?

Como citado anteriormente, é papel da família é prover os cuidados primários, passar os valores, questões culturais, princípios, crenças, assim como direcionar a criança quanto ao seu comportamento, ensiná-la como viver em sociedade. A escola entra com a parte de aprendizagem, ensinar a ler, escrever, trabalhar em grupo, dentre tantas outras atribuições da área escolar e que são de grande relevância para o desenvolvimento infantil.

Por isso é tão importante que a família e a escola estreitem uma parceria a fim de que o desenvolvimento infantil ocorra da forma mais leve e saudável possível, no sentido de ofertar o melhor à criança. É bacana que esse trabalho ocorra em conjunto, pois nem filho e nem aluno chegam com manual de instrução, e cada ser humano possui suas individualidades, portanto, este elo pode ser suporte para ambas as partes.

Por parte da família, participar da vida escolar do filho significa preocupar-se sobre sua rotina escolar. Questioná-lo como foi seu dia, o que aprendeu, de que brincou, chegar sua agenda (dependendo da idade) e ir dando independência aos poucos para que ele organize seus materiais de estudo. Além disso, estar presente nas reuniões escolares, ligar para a escola quando algo não estiver bacana para conversar, manter contato com os professores a fim de verificar como vai o comportamento e a aprendizagem do pequeno, para que família e escola andem na mesma direção e que possam beneficiar o estudante.

Já a escola, composta por vários pequenos com culturas diferentes, modelos familiares distintos, e com questões particulares, precisam estar amparadas e articuladas por regras, valores e organização. É importante que a escola esteja em constante comunicação com os pais das crianças, diante das situações do dia a dia, mudanças de comportamento ou conflitos entre as crianças. É direito dos pais saber acerca da metodologia de ensino e como está o desenvolvimento da aprendizagem do filho.

Contudo, para que haja participação na vida escolar dos filhos, família e escola precisam estar em comunicação, para que ambos saiam satisfeitos do processo de aprendizagem, para passar o melhor para o pequeno. Se formos parar para refletir acerca do sujeito, a primeira instância que ele passa é a família, a segunda é a escola e a terceira é a sociedade em geral. Após passar pela família e pela escola, ao tornar-se um adulto, ele lidará com as questões sociais sozinho, a partir do que aprendeu nas duas instâncias anteriores, e por isso se faz tão importante a valorização da vida escolar, assim como, da participação familiar. Ocorre que, quando a criança é menor (até cerca dos 08 anos) pode ser que ela não consiga contar de forma elucidada sobre sua rotina, e a brincadeira pode ser uma forma de estimular isso.

Sabe-se que a rotina de trabalho dos pais pode dificultar o tempo com os filhos, mas isso não descarta sua relevância. Muitas vezes, é por meio da brincadeira que o pequeno acaba criando vínculos maiores com os pais, estabelecendo laços de confiança, afeto, e ainda, contando a ele sobre seu dia a dia através do brincar.

Você já ouviu aquela frase que diz: “seu filho seguirá seu exemplo, e não seu conselho”? E por isso que é relevante refletirmos a importância da participação familiar na vida dos filhos. Quando estes participam, interagem, perguntam, estão explicitando aos pequenos que a escola é importante, que deve ser valorizada e levada a sério. A vida escolar dos filhos também é tarefa dos pais, ao mesmo passo que a criança vai criando independência, autonomia, e siga o mesmo caminho de acreditar no poder da educação. Educar é uma forma de amor.

Teríamos tanto para refletir sobre esta temática, e provavelmente voltaremos a falar sobre ela. Caso tenhas dificuldades com seu filho, ou perceba que ele está com questões que geram sofrimento, não deixe buscar um auxílio profissional para lidar melhor com essa situação! Lembre-se, filho não vem com manual de instrução, mas você pode pedir auxílio quando necessitar.

“Quando família e escola educam com os mesmos critérios, as diferenças entre os dois ambientes se reduzem, e quem ganha é a criança.” Andrea Ramal

Participe conosco! Caso tenhas alguma dúvida ou sugestão, fique à vontade para entrar em contato pelo e-mail gihh_b@hotmail.com. Receberei com afeto! Abraço fraterno!

Topo
NOSSAS NOTÍCIAS NO SEU E-MAIL
Receba uma vez por dia no seu e-mail, as notícias do Portal Veneza
Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros.