A cada ano que passa aumenta o número de brasileiros descendentes de italianos que vão para Itália em busca da tão sonhada ‘cittadinanza italiana’.

Infelizmente o maior problema de fazer a cidadania por conta, ou seja, sem assessoria é conseguir uma residência, que é o início de tudo. Eu com meu conhecimento de Itália e de alguns relatos, dou a seguinte opinião, quem for fazer a cidadania para ir morar em outro país ou simplesmente ter a cidadania e voltar para o Brasil, o melhor caminho é pagar assessoria.

Porque se for fazer por conta vai gastar com aluguel depósito caução de três meses, mais o aluguel dos meses que ficar na Itália esperando, correndo o risco de não receber de volta o caução, investindo até 3 mil euros ou mais com despesas de gás, energia e água, enquanto espera a cidadania. Enquanto que um assessor cobra entorno de 3.500 euros e entrega a identidade italiana na mão.

Já para quem tem interesse em morar na Itália teria uma possibilidade de fazer sozinho já que o dinheiro investido no imóvel servirá para continuar morando após pegar a cidadania. O melhor é que essa pessoa venha sozinha e que tenha algum amigo ou parente, enfim, algum conhecido para assinar a ‘carta presença’ ou ‘carta di ospitalità’, que com esse documento a pessoa pode ficar durante 90 dias legalmente no país, portanto, terá este período para procurar um imóvel para alugar para fazer a cidadania, podendo escolher uma cidade que o processo seja mais rápido e com oportunidades de emprego.

Se for o caso de não encontrar um imóvel por não ter um emprego, ofereça um valor alto no caução, afinal, você estará investindo em seu novo projeto.

Sobre certidões a serem traduzidas, tanto para quem for fazer por conta ou com assessoria, traga apostiladas do Brasil e deixem para traduzir na Itália. Em Verona recomendo Fernanda Baldessar, natural de Criciúma e neta de venezianos. Uma ótima profissional, recomendo muito. Conversando com alguns conterrâneos vi que as traduções no Brasil custam o dobro.

E pra quem vir para Itália pra morar, venham com a Carteira de Habilitação Internacional que vale por um ano nas categorias A e B, enquanto isso dê entrada na conversão para italiana, que com pouco mais de 130 euros terá uma habilitação europeia com validade de 15 anos.