Biro-Biro sem lero-lero

“Em Nova Veneza o PSD tem quatro nomes de candidato a prefeito”;
“O PSD tem a garantia de que onde estiver, o PDT vai estar com ele”;
“Se a opção do PSD for para ser vice na chapa do PSDB, não será o “Géio” quem vai escolher o vice. É o partido quem vai indicar”.

Estas são algumas das muitas frases de afirmação ditas pelo presidente do PSD de Nova Veneza, vereador licenciado e agora Secretário Municipal da Agricultura, Eloir Minatto, o Biro-Biro. Ele é categórico em afirmar que o partido tem posição clara e que o Caravaggio não vai ficar fora da chapa majoritária. Todos os quatro nomes que o partido tem para concorrer a prefeito são daquele distrito. São eles: Biro-Biro, Zé Spillere, Élzio Milanez e Vanderlei Spillere. Destes só o Zé não pode disputar a vice. O discurso do PSD, entretanto, é de que terá candidato a prefeito e que se lá adiante as conversas com o PSDB evoluírem para mais uma vez o partido indicar o candidato a vice-prefeito, esta escolha é do partido e não do prefeito Rogério Frigo.

Com o PDT

O posicionamento do PSD não é novo, mas ganhou mais densidade na sua divulgação a partir de uma reunião realizada na noite desta quarta-feira com o deputado estadual Rodrigo Minotto e outros líderes do PDT. A reunião era para tratar do apoio peessedista ao candidato da chapa de oposição na Coopera, Odo Dal Toé. Nem todos os peessedistas aderiram, mas o presidente Biro-Biro sim. Já o vice-prefeito Zé Spillere teria saído da reunião deixando este entendimento, mas na manhã seguinte procurou tanto Dal Toé quanto o candidato da situação Valmir Rampinelli, para dizer que está livre e que não pretende mergulhar na campanha nem de um, nem de outro.

Dedo do PSD

Biro-Biro bate na tecla de que o PSD cumpriu todos os acordos com o PSDB até então e reclama que de boca pequena existia sim uma conversa de que em 2020 o candidato a prefeito da dobradinha seria do partido vice. Esta tese só não é cobrada mais fortemente porque o próprio PSD reconhece o potencial da candidatura de Géio Frigo. Mas o tom é forte que o prefeito é realizador, mas que todas as obras têm a digital do PSD.

Na Coopera

O prefeito Rogério Frigo é considerado o peso decisivo em favor da candidatura de Valmir Rampinelli, na eleição da Coopera. Esta conclusão me foi feita numa leitura do prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro. Tem lógica. Assim como tem muita lógica que a chapa de oposição com Odo Dal Toé carrega mais forte a digital da força do PDT do que propriamente o movimento cooperativista. A prudência de colunista recomenda que outros comentários a respeito desta eleição fiquem para após a eleição, isso para que a coluna não se transforme numa arma na mão de um e de outro.

Foi sem ter sido

O posicionamento do vice-prefeito Zé Spillere, que teria deixado nas entrelinhas de que apoiaria a candidatura de Odo Dal Toé, mas que na manhã seguinte deixou claro que se considera “livre” pode ser um trunfo na mão do PDT na hora de conversar sobre apoio na eleição municipal. O deputado Rodrigo Minotto saiu da reunião com o PSD empenhando palavra, mas com a certeza de que tinha ouvido um “Sim” do Zé e do Biro-Biro. O Biro-Biro confirmou, o Zé não.