Colunistas

Assalto em pleno dia

É muito triste começar o ano novo escrevendo sobre um assalto praticado e as vítimas sendo minha filha mais nova Denise e minha neta Mariana.

Era sexta-feira (25/01), por volta das 16h minha filha mais nova e sua filhinha de 9 anos foram no Banco do Brasil, na rua Getúlio Vargas, centro de Criciúma retirar uma certa quantia em dinheiro pois iriam viajar em poucos dias.

Denise retirou o dinheiro e quando se encaminhavam, em direção ao centro, para pegar o carro que estava estacionado ali perto, uma moto parou ao lado das duas e o indivíduo pediu a bolsa dela. No primeiro instante ela disse que não entregaria, mas ele disse:

  • Vai entregar sim. E levantando a camiseta mostrou uma arma. Ela teve o ímpeto de sair correndo e não entregar mas o instinto de mãe disse que não fizesse isso, não podia colocar em risco a vida dela e da menina.  Fez o que é aconselhado e entregou a bolsa. O ladrão saiu em disparada, na contramão, em sentido contrário ao dela.

Foi um desespero. A menina gritava por socorro e logo pessoas vieram acudi-las levando ambas para dentro de um estabelecimento. Ainda existe pessoas boas e prestativas e ajudaram-na com as primeiras providências ligando para meu genro e para a polícia.

O bandido levou a bolsa com uma quantia razoável de dinheiro, um celular da Apple e todos os documentos da Denise e da menina.

A polícia e meu genro chegaram em seguida e já fizeram o Boletim de Ocorrência ali mesmo. Dali levaram-nas para casa.

Antes mesmo de chegar ao local do assalto meu genro já começou o rastreamento do celular que sempre acusava um determinado bairro de Criciúma.

Depois que deixaram as duas em segurança em casa, e já mais calmas, foram em direção ao local onde o GPS acusava estar o celular. Chegando ao local deram um fragrante num indivíduo entregando o celular para uma jovem, revistaram-na mas não encontraram o celular e por não ter uma ordem judicial não foi possível revistar o estabelecimento. Com certeza ela jogou em algum canto quando viu os policiais chegarem.

Foi um sentimento de impotência e raiva ao mesmo tempo.

A polícia foi rápida comunicando o ocorrido para outras viaturas já com a foto do ladrão. Câmeras da redondeza filmaram a moto e seu condutor em vários momentos. Logo souberam a procedência da moto mas também descobriram que era uma moto “cabrita”, quer dizer uma moto adulterada para praticar crimes.

Foram buscas e contatos por vários dias na tentativa de encontrar pelo menos os documentos delas, a família estava com viagem programada para o exterior e ficaram muito preocupados que a falta dos mesmos impedisse a viagem.

Tá ficando perigoso viver até em cidades pequenas como Criciúma e redondezas. Ir em bancos é muito arriscado principalmente quando for pra sacar dinheiro. Todo cuidado é pouco, tudo indica que tinha alguém dentro do banco só de olho em quem sacava dinheiro e passando as informações para o bandido da moto que iria atacar a presa mais fácil.  Infelizmente foi minha filha.

O assalto foi em plena luz do dia, com intenso tráfego de pessoas e muito perto de um posto policial no centro da cidade. Os bandidos não temem nada, sabem que a impunidade é grande.

Conto o ocorrido aqui para alertar meus leitores e seus familiares. Temos que estar sempre vigilantes e infelizmente desconfiar de todos que estiverem ao nosso redor, as pessoas boas pagam pela más.

Agradeço a Deus todo dia por ter preservado a vida da minha filha e neta, tiveram danos materiais é claro, mas nada que não se possa recuperar.

Obrigada Deus!

Maria Margarete Olimpio Ugioni
Topo