Passei por um estranho,
Que perdido em lágrimas,
Falava coisas,
Que ninguém se atrevia a ouvir!

Passei por outro alguém,
Que representava felicidade,
Largando sorrisos sem sentido,
No meio de tantas cabeças cinzas!

Olhei para o rapaz da padaria,
Representava tédio,
Pensando em sei lá o que,
Devia ansiar por dias melhores!

Passei por mais alguns,
Que mostravam tantas coisas,
Escondiam tantas coisas,
Até entender,
Que era apenas mais um,
Passando no meio de tanta gente!