Todos os presentes possíveis,
Medem um valor,
Tão mensurável,
Que pode ser visto a olho nu!

Todas as coisas entregues,
Todos os sorrisos,
Que prometem falar tantos sentimentos,
Por vezes são tão vazios,
Que esboçam apenas o vazio!

Toda a razão,
Pela qual se entrega tanto valor,
Ao mesmo passo,
Que um sorriso,
Já não é bem-vindo,
Um abraço não é mais bem quisto,
Ainda é desconhecido por todos,
Ou escondido, por aquele que não acredita em si!