Com o passar dos anos, a tecnologia se tornou algo realmente presente em nossas vidas, atinge várias faixas etárias, desde o netinho até o vovô. Temos todas as informações na palma de nossas mãos.

Devido a isso, houve grande queda em certos mercados de mídia. Os artistas, que antes lançavam CD’s, hoje lançam, primeiramente, na internet. Investem muito mais em videoclipes do que quando só podíamos ver clipes musicais na televisão. Hoje em dia, se tem canais no Youtube que são bem mais lucrativos.

Com isso, os filmes também tiveram grande queda. Nos últimos cinco anos, o aluguel de filmes caiu cerca de 70%, no Brasil, devido à baixa procura várias locadoras fecharam e estão fechando. Estima-se que, em um ano, não será fácil encontrar locadoras de filmes.

Uma das grandes inimigas das locadoras é a provedora de filmes Netflix, na qual se paga o valor do aluguel de três lançamentos na locadora e se pode assistir filmes, documentários e séries que são as mais procuradas e sem que o cliente se preocupe com multa e entrega. A Netflix estourou no ramo trazendo tudo que o espectador precisa: facilidade, rapidez e variedade. Não teve chance para os “velhos” DVD’s.

Hoje, a provedora de filmes e séries Netflix tem mais de 90 milhões de assinantes, mais de 190 países têm acesso à plataforma. Em comparação, anteriormente, uma entregadora de DVD’s pelo correio agora produz centenas de horas de programação original, onde estourou com sua primeira série de sucesso House Of Cards.

Para você que pretende ser ou já é um adepto da Netflix, House Of Cards é um bom começo.

Lançada em 2013, a série é baseada em um livro que conta a história de um político muito ambicioso e que se vê enganado pelo presidente que ele mesmo ajudou a eleger. Frank Underwood sonha com o mais alto cargo público na Casa Branca, e se revolta quando descobre que não foi promovido para o cargo que muito almejava e que foi prometido a ele.

Dessa forma, ele “aceita” e consegue manter as aparências que está tudo bem, mas com a ajuda de sua esposa, de uma ambiciosa jornalista, e de outros aliados, resolve agir pelos bastidores da política, cenário que ele conhece muito bem, e fará de tudo para subir ao topo.

Como protagonista, Kevin Spacey foi premiado com o Oscar de melhor ator coadjuvante, e não é de se admirar, pois ele realmente se transforma num manipulador, impiedoso, contudo, mesmo interpretando alguém tão ardiloso, a série faz o espectador criar uma empatia muito grande com o personagem.

A esposa dele, Claire Underwood, vivida pela atriz Robin Wright, é uma personagem muito forte que sempre está a par das coisas que ele faz, o auxiliando de certa forma. A relação dos dois é meio bizarra, mas a forma como é mostrada evidencia que realmente um precisa do outro, pois subir na política é um objetivo dos dois, não apenas de Underwood.

A série é muito bem produzida, possui imagens muito simétricas com uma fotografia extraordinária que abusa das cores azul e amarelo nas cenas. O resultado ficou incrível, tanto que, em 2013, ganhou o Emmy de melhor direção de fotografia, junto com melhor direção e melhor elenco de série dramática.

Para quem gosta de muita ação e aventura a série não é a mais aconselhável, pois sugere menos ação, mas muita astúcia e pessoas ferrando uma com as outras. Nos primeiros episódios, ela não empolgado muito por ter uma trama mais complicada e que envolve muitas doses de discussão política, mas, depois, faz o espectador “grudar” na tela sendo difícil fazer outra coisa exceto “maratoná-la”.

Um diferencial da série é quando o protagonista Frank Underwood olha para a câmera e fala com os telespectadores e isso meio que faz nos sentirmos um pouco cúmplices do político. Ao todo, são quatro temporadas e uma soma total de 52 episódios até agora. A Netflix confirmou a quinta temporada para 30 de maio deste ano. Fãs aguardam ansiosos.