Por Willians Biehl

Prisão ocorreu no início da madrugada desta segunda-feira, no distrito de Caravaggio.  

Após descumprir medida protetiva de urgência, um homem, de 42 anos, foi preso pela Polícia Militar, nesta segunda-feira, 10, por volta da 0h30min.

Conforme relatou sua ex-companheira, de 32 anos, o homem chegou em frente à sua residência e tentou abrir uma janela, ela então teria acordado e foi até a porta ver o que ocorria, ainda conforme seu relato, nesse momento seu ex-companheiro tentou agarrá-la, ela então o empurrou e em seguida pegou uma “ripa” e lhe atingiu, com intuito de se defender.

Por sua vez, o homem afirmou aos policiais militares, que foi à residência da ex-companheira para ver os filhos, que encontrou a porta aberta e entrou, como estavam acordados, ficou conversando, então a ex-companheira não teria gostado da atitude e mandou ele se retirar, em seguida, ela o teria agredido, acertando seu braço direito.

A Polícia Militar foi acionada e quando o homem viu a aproximação da viatura, tentou correr, porém, foi impedido pela mulher. Diante dos fatos foi realizada a prisão em flagrante do homem. Ele foi levado até a delegacia da Polícia Civil em Criciúma, em seguida, foi encaminhado ao presídio Santa Augusta.

Descumprir medida protetiva é crime

Desde o ano passado, suspeitos que desobedecerem medida protetiva de urgência poderão também responder pelo crime de desobediência. É o que determina a alteração da Lei Maria da Penha sancionada pelo presidente Michel Temer em abril de 2018. A pena para o descumprimento é de três meses a dois anos de detenção.