Trabalho: atividade realizada por um determinado período de tempo, que tem como consequência uma remuneração financeira. É no trabalho que, geralmente, se passa maior parte do dia, lá, se tem contato com outras pessoas, histórias, contextos e conflitos. Se formos voltar um pouquinho no tempo, antigamente as pessoas tinham um número maior de filho, com o objetivo de terem mão de obra para o trabalhar.

Os filhos já nasciam com uma profissão: iam ajudar a família. Principalmente em cidades de interior, onde a agricultura familiar tinha bastante força. Muitos desses filhos acabavam nem estudando, ou deixando a escola para contribuir no sustento familiar.

Hoje, isso já é bem diferente. As famílias estão optando por ter menos filhos pela dificuldade de educar as crianças e pela conciliação com o trabalho, já que a mulher está inserida no mercado de trabalho, enquanto que antigamente, era responsável pelo lar e pela criação dos filhos. Atualmente ainda, é possível escolher uma profissão de acordo com suas aptidões (temos um artigo sobre isso: https://www.portalveneza.com.br/porque-escolher-uma-profissao-tao-dificil/ ) e este momento geralmente é marcado por dúvidas, medos e ansiedades.

“O que vou escolher?” – “Como vou me inserir no Mercado de Trabalho?” dentre tantos outros questionamentos que são trazidos por pessoas nesse processo de escolha. E não apenas em escolha profissional, mas também em escolha de empregos. Hoje, cada vez mais pessoas possuem acesso ao Ensino Superior, o que aumenta a competitividade entre profissionais que precisam mostrar seu diferencial, sendo assim, as empresas estão avaliando melhor sua equipe profissional.

Ao contratar um colaborador nos dias atuais, as empresas avaliam tanto as competências técnicas quanto as competências comportamentais. Quando falamos de competência técnica, trata-se do conhecimento técnico em si – saber fazer, já a competência comportamental, é a maneira com que o colaborador se comporta diante de um conflito, como ele lida com trabalho de grupo, dentre tantas outras situações – diz respeito ao comportamento.

Isso pode diminuir consideravelmente o nível de rotatividade da empresa (pedido de demissão e contratação de novos funcionários), o que é bom para ambos os lados: empresa, que diminui gastos, e funcionário, que consegue manter-se em um emprego no qual possui competência para estar. Sendo assim, percebe-se a modificação e o aumento da exigência do candidato para ser selecionado para a vaga, pois, não basta saber fazer e fazer bem, mas sim, “como vou lidar com a equipe que trabalhará comigo”.

Diante dessas novas exigências, cada vez mais as empresas solicitam currículo: online ou impresso. Muitas pessoas possuem dúvidas sobre o que apresentar em seu currículo, para isso é necessário saber que esta ferramenta é o primeiro contato da empresa com você, sendo que o recrutador não lhe conhece. Por isso, vou lhe dar algumas dicas:

COMO DESENVOLVER UM BOM CURRÍCULO

01.  Coloque seu nome completo, cidade, contato pessoal (telefone, e-mail)

02.  Uma foto de perfil neutra, para que eles saibam quem é a pessoa que estão chamando para uma entrevista.

03.  Escolaridade – Apresentar seu nível de escolaridade e cursos realizados, curso de idiomas, entre outros (se houver).

04.  Experiências profissionais – Recomenda-se colocar as três últimas experiências profissionais, com o tempo de permanência de cada uma, e o motivo da saída.

05.  Informações adicionais – Pode-se inserir os trabalhos extra realizados, trabalhos voluntários, descreva seu objetivo quanto à vaga;

É importante acrescentar que os currículos devem ser sucintos, mas que tragam as informações de que o recrutador precise para a seleção. Fui chamado para a entrevista, e agora?

Bom, se você foi chamado, presume-se que tens interesse na vaga, já que você se candidatou. Respire fundo, leve consigo uma cópia do currículo – mesmo que já tenha enviado, apresente-se com uma roupa confortável e discreta e responda o recrutador com bastante sinceridade ao que ele lhe perguntar. Se você sabe que tem um conhecimento que é essencial para a vaga, fale!

É bacana ainda, explanar ao recrutador sobre suas aprendizagens adquiridas nas experiências profissionais anteriores – mas não pega bem falar mal das outras empresas, ainda que tenha havido questões desagradáveis (pois presume-se que se você fala mal daquelas, falará mal desta também). Além disso, é importante prestar atenção na pessoa que está conversando com você, manter o celular no silencioso, chegar no horário combinado, e tirar todas as suas dúvidas sobre a vaga em que está concorrendo.

Você sabia que é bastante frequente o candidato enviar seu currículo para determinada vaga, marcar entrevista, e não ir? Sim. Isso acontece bastante. Infelizmente hoje, apesar de muitas pessoas estarem desempregadas, acabam deixando algumas oportunidades profissionais passarem por este tipo de atitudes. Por isso, apenas se coloque nas vagas que realmente tens interesse! Isso facilita o recrutador que poderá utilizar deste tempo para atender outra pessoa, auxiliando também você. Por isso sempre antes de responder com SIM para uma possível proposta de emprego, avalie e seja sincero. Mais vale você esclarecer o porquê não deseja ficar com a vaga, ficando aberto para outras oportunidades, do que desperdiçar seu tempo em algo que não te agrade.

Cada vez mais exigente, o Mercado de Trabalho solicita que estejamos preparados – de modo técnico e comportamental. É cada vez mais comum a busca por colaboradores que “vistam a camisa” da empresa de fato. O segredo é buscarmos aperfeiçoamento na área em que tenhamos habilidades, sermos verdadeiros e que podemos fazer diferente.

Este tema tem muito mais a ser falado, e com certeza voltaremos nele! Mas por hoje, é isso. Caso tenhas alguma dúvida ou sugestão, fique à vontade para entrar em contato pelo e-mail gihh_b@hotmail.com.

Receberei com afeto! Abraço fraterno!